Nacional

Amorim anuncia titularidade de jovem de 18 anos e explica problemas físicos de St. Juste

Rúben Amorim explica-se em conferência de imprensa do Sporting

Na conferência de imprensa de antevisão ao jogo com o Marítimo, a contar para a Taça da Liga, Rúben Amorim revela os objetivos para esta partida.

“Os jogadores vão ser decididos consoante as características dos jogadores. Não queremos sofrer golos e queremos aumentar a diferença de golos e fazer 9 pontos. Queremos a quinta vitória consecutiva e não sofrermos golos para ganharmos confiança para o que aí vem“, afirmou.

Veja também: Os milhões que irão custar à FPF para despedir Fernando Santos

O técnico leonino confirmou a titularidade de Mateus Fernandes, jovem médio de apenas 18 anos.

Mateus vai ser titular. É uma mensagem para todos de que aqui não há nada garantido, têm de lutar muito para entrar na nossa equipa. Sei o valor de Mateus, vai jogar porque merece“, elogiou.

Outro jovem que mereceu uma observação foi Marsà.

Marsà está pronto, tem melhorado. O único problema que vejo é a falta de centrais destros disponíveis, porque os que tenho são todos esquerdinos. Temos Neto e St. Juste pensados para a direita, mas estão lesionados. O Marsà, que é esquerdino, está preparado. Não falo em reforçar o lado direito do eixo defensivo. Marsà está preparado para jogar, é mais uma alternativa. O que nos tem faltado são jogadores de pé direito e na formação, os que temos, estão um bocadinho atrasados”, referiu.

Veja também: Quem é Ricardo Regufe, o inseparável melhor amigo de Ronaldo?

Amorim confirmou também que Paulinho tem sido acompanhado por um psicólogo e abordou a importância destes profissionais para os jogadores.

“São assuntos particulares. Eu entendo que o faça, é como se fossem fisioterapeutas, principalmente no mundo atual em que temos muitos desafios. Acho muito importante esse apoio e acho que todos devem procurar esse apoio de pessoas qualificadas, psicólogos que estudaram anos e percebem do assunto. Eu próprio já procurei, principalmente no início da carreira. Se o fez, fez muito bem. Todos devem ter esse acompanhamento numa posição muito exigente. Vimos no Mundial que essa parte mental é muito importante”, disse.

O treinador do Sporting destacou ainda a importância da paragem para o trabalho com os mais jovens.

Acima de tudo, jogadores como o Mateus Fernandes e o Essugo notou-se o crescimento, principalmente este último. O Sotiris também teve mais tempo para treinar. Todos os jogadores que cá ficaram melhoraram bastante e o não sofrer golos foi prova disso. Fomos bastante competentes nos dois jogos. Os jogadores voltaram da seleção e houve coisas boas e más. O Morita veio com mazelas e tem de ficar de fora. Esta paragem foi importante como equipa para trabalhar o que não tínhamos trabalhado porque não tivemos tempo para isso já que o campeonato foi muito corrido. A paragem foi boa em todos os aspetos para preparar o presente e o futuro do Sporting”, considerou.

Veja também: A pergunta insólita de Ricardo Horta a Bruno Fernandes durante o Marrocos-Portugal (VÍDEO)

Por último, Amorim abordou os problemas físicos que têm apoquentado St. Juste.

“São fases do jogador. Vendo a última época dele no Mainz, esteve muito tempo parado, mas foi por causa de dois problemas no ombro. O problema é ter estado tanto tempo parado. Se tivesse feito a pré-época, quase de certeza que não teria estes problemas musculares. A última lesão foi um choque e há coisas difíceis de explicar. Eu próprio tive muitas lesões e depois quando cheguei aos 27 anos, fiz muitos jogos seguidos. Feddal foi igual. Não fecho os olhos a nada e tento ver o que se está a passar, mas se me explicam as coisas “tintim por tintim”… É preciso que ele tenha uma fase com muitos jogos. Jovane amanhã será titular e também está a habituar-se aos treinos. Sabíamos que a paragem do St. Juste teve uma razão específica, olhámos para o passado dele e teve bons jogos quando entrou nesta sequência [com jogos de três em três dias]. Tudo isso tem um impacto em jogadores que não estão habituados a isto [ritmo elevado de jogos]. O Dário [Essugo] está habituado a isto desde a formação e poderá ser diferente no futuro. Estamos à procura desse equilíbrio“, concluiu.

Deixe uma resposta