Nacional

Amorim aborda Farense, o regresso de Gonçalo Esteves e ainda Neto

Rúben Amorim em conferência de imprensa de antevisão a um jogo da Liga dos Campeões do Sporting

Na conferência de imprensa de antevisão ao jogo com o Farense, a contar para a Taça da Liga, Rúben Amorim revelou que aproveitou esta paragem para trabalhar alguns princípios da equipa.

Veja também: Ex-Sporting Rúben Ribeiro agride a mulher e foge do país

Sobre o jogo com os algarvios, o treinador do Sporting espera dificuldades.

-

Tivemos tempo para trabalhar os nossos princípios. O Sotiris voltou da seleção e trabalhou connosco, o Dário também, o Mateus Fernandes… Já interiorizaram mais do que queremos. O St. Juste está em dúvida, acabou de levar uma pancada no joelho, mas também treinou e melhorou os índices todos dele. Treinar ajuda sempre as equipas a melhorar. Vamos a jogo contra uma equipa da 2.ª Liga, candidata a subir e com jogadores experientes. Tem jogadores como o Pedro Henrique e o Lucão, que podem ser referências. Temos de estar preparados para esse tipo de jogo. Conhecemos bem a equipa do Farense. É uma competição que queremos ganhar e onde queremos continuar a somar vitórias consecutivas”, afirmou.

Amorim concorda com a realização dos jogos da Taça da Liga durante esta pausa do Mundial, enumerando as vantagens.

Não, depois voltamos sem tempo para treinar e até é melhor ter jogos para avaliar a equipa. O meu pensamento é que temos muito para melhorar, e parando completamente tínhamos de mandar os jogadores de férias e depois tínhamos outra pré-época sem jogos. Na minha opinião, sendo o Mundial nesta altura, temos de ter esta competição para manter índices e preparar o futuro. Na minha cabeça só penso: ‘Como é que nos vamos apresentar melhor?’. Penso que é uma boa solução e vejo-a com bons olhos. É uma visão mais pessoal, e mesmo não tendo muitos jogadores importantes, há outros que precisam de jogar“, referiu.

Veja também: FPF toma medida drástica após golo de Ronaldo ter sido atribuído a Bruno Fernandes

O mercado também foi tema abordado e o técnico leonino confirmou o regresso de Gonçalo Esteves.

O Gonçalo Esteves vai voltando, vem para o pé de mim. É um jogador em que acreditamos muito. Pensámos emprestá-lo para ter minutos, mas vai voltar e vai juntar-se à equipa A e à equipa B. Jogar na nossa equipa é muito difícil. Um jogador não pode pensar que vai para fora, não joga, volta e é logo opção. Cada vez temos uma equipa B mais jovem, e precisamos de dar outros passos. Temos de acertar o momento do jogador e o estilo de equipa que queremos. Eu falei pessoalmente com os pais dele e sinto que isto é responsabilidade minha. Não está a ter minutos no Estoril, vai voltar para mim e para o Sporting. Não tendo minutos, mais vale estar aqui. Se já o coloquei no campeonato e na Liga dos Campeões sem problemas… acredito muito nele. Depende mais dos jogadores do que do treinador. Vai ter de trabalhar muito para voltar a merecer jogar pela equipa principal“, disse.

Amorim revelou como Sporting vai movimentar-se no mercado de janeiro e aponta para a renovação de Luís Neto.

Sim, o Neto tem carta branca para renovar. Só o que joga, já merece a evolução que teve, mas é um jogador muito importante para nós, mas somos uma família e nos momentos difíceis estamos cá uns para os outros. O Neto sempre deu tudo e é muito importante, já falei com o Hugo Viana. Em relação às prioridades, dependem de muita coisa. Vimos que jogadores podem ser interessantes no mercado. O ano passado houve jogadores que saíram e não pudemos fazer nada, e estamos a tentar que o planeamento não falhe como falhou um bocadinho noutra altura. Temos de salvaguardar todas as posições e ver o que acontece no futuro. Não há uma prioridade, há uma tentativa de preparar todas as possibilidades“, frisou.

Veja também: Fernando Santos não gostou do que viu e deixa recado ao Uruguai

Por último o treinador dos leões abordou a recente entrevista que concedeu a um jornal e ainda a utilização de Dário Essugo no lugar de Hidemasa Morita.

“Recebi muitas mensagens a dar os parabéns da entrevista, não dei entrevista nenhuma. Acho que foram muito inteligentes. No título diz lá que não é uma entrevista… As pessoas ficaram com essa ideia. Não dou entrevistas porque falo muitas vezes, não gosto de falar sempre sobre futebol. Depois as pessoas fartam-se de ouvir os treinadores. Em relação aos jogadores que vão jogar, o Sotiris tem treinado a ‘6’, e um dos problemas dele é o posicionamento. Acho que ele tem de começar por ali para passar para outro lado, mas neste jogo vai jogar o Essugo. Tem mais tempo de trabalho e é um miúdo no qual acreditamos muito. O objetivo não é rodar ninguém. O objetivo é ganhar e o Essugo é aquele que nos dá mais garantias para ganhar”, concluiu.

Deixe um comentário