Nacional

Expulsão perdoada a Pepe no FC Porto-Casa Pia? Análise à arbitragem

Lance entre Pepe e Clayton no FC Porto-Casa Pia.

Os especialistas dos diários desportivos O Jogo e A Bola e da Rádio Observador analisaram o trabalho de João Gonçalves no FC Porto-Casa Pia.

Veja também: Ronaldo marca no Al Nassr-Al Riyadh com toque de classe (Vídeo)

O lance mais polémico surgiu aos 30 minutos por uma suposta falta de Pepe sobre Clayton, quando o avançado dos gansos seguia isolado para a baliza defendida por Diogo Costa.

Pedro Henriques é o único especialista a considerar que a decisão de não exibir o cartão vermelho foi acertado, uma vez que considera que Pepe não fez falta sobre Clayton. O especialista de arbitragem do Observador defende que Pepe não faz qualquer infração no primeiro contacto em que encosta ao jogador do Casa Pia e nem sequer lhe toca nas pernas que provocaria a sua queda.

Veja também: Amorim explica confusão em Guimarães e lembra polémica no Dragão

A análise Pedro Henriques

Veja também: Penálti por marcar contra o Benfica diante do Farense? – Análise à arbitragem

A Análise de Duarte Gomes

João Gonçalves deslocou-se ao Dragão para dirigir o duelo entre FC Porto e Casa Pia.

Segue análise dos lances mais determinantes do jogo:

9′ Alan Varela fez “tesoura” a dois pés sobre Tiago Dias. O árbitro entendeu não ter havido negligência, mas as imagens mostraram que houve. Ficou por exibir cartão amarelo ao jogador argentino do FC Porto.

12′ Zé Pedro fez passe para Stephen Eustáquio. O médio cruzou para o centro da área, onde apareceu Evanilson a finalizar com sucesso. O avançado brasileiro estava em posição legal. Lance bem validado pelo árbitro assistente.

23′ Clayton foi atingido na perna pelo pé de Alan Varela, mas de forma absolutamente inadvertida. O médio tinha feito passe para a esquerda, tocando de forma acidental no seu adversário.

30′ Pepe perseguiu Clayton, que estava de posse de bola e seguia isolado rumo à baliza adversária. Dois momentos de análise neste lance: a carga do central na parte superior do corpo do adversário (muito no limite, parecendo ter usado o braço direito para empurrar as costelas do adversário) e a que foi exercida mais abaixo, ao nível das pernas. Aí parece claro que houve mesmo infração: o defesa do FC Porto, na passada, cometeu a imprudência de se aproximar demasiado do avançado, tocando-lhe com a perna direita na esquerda. Esse contacto, com aquela velocidade e dinâmica, foi suficiente para desequilibrá-lo e derrubá-lo. Na nossa opinião, a melhor decisão seria assinalar pontapé-livre direto favorável ao Casa Pia e exibir o cartão vermelho ao jogador azul e branco.

36′ Amarelo bem mostrado a Evanilson. O avançado chegou tarde à dividida e pisou o pé de Leonardo Lelo de forma negligente. Decisão correta do árbitro da partida.

39′ Alan Varela foi bem advertido após entrada negligente sobre Mukendi.

45+1′ Soma ainda esboçou pedido de penálti, mas sem razão: a bola que cruzou da esquerda bateu no braço de Pepe, que estava junto ao corpo e em posição de defensiva. O lance (bem decidido em campo) aconteceu após erro de análise do árbitro portuense, que não detetou infração anterior de Clayton sobre Pepê.

49′ Golo legal do FC Porto, marcado por Zé Pedro, após assistência de João Mendes.

72′ Varela “livrou-se” de um problema acrescido, porque antes Taremi partiu de posição irregular, bem assinalada pelo árbitro assistente. É que o central casapiano usou depois o cotovelo direito para carregar as costas do iraniano, em infração que aconteceria fora da sua área. Se o lance não tivesse sido bem sancionado, o defesa do Casa Pia teria que ser expulso com vermelho direto.

81′ Golo legal do FC Porto: quando Evanilson rematou à baliza de Ricardo Batista, Stephen Eustáquio (que depois fez a assistência) estava em posição legal. Pepe, que finalizou, também. Boa decisão do árbitro assistente ao validar o lance.

86′ Jorge Sanchéz pisou o pé de Jajá de forma irregular e negligente. O contacto aconteceu em cima da linha da área do FC Porto, o que significa que foi dentro. O árbitro não se apercebeu da infração, indicando pontapé de canto. Esteve muito bem o vídeoárbitro ao intervir, chamando o seu colega para que assinalasse o respetivo pontapé de penálti. Nota: se o árbitro tivesse assinalado infração fora da área, bastava que o VAR dissesse que essa tinha ocorrido dentro para que a decisão fosse alterada, sem necessidade de rever as imagens em campo.

90+2′ Pablo Roberto agarrou um adversário de forma antidesportiva e foi bem advertido.

90+4′ Geraldes puxou o braço esquerdo de Galeno, cometendo infração que o árbitro não identificou. A bola estava algo à frente e não era totalmente certo que o avançado a pudesse controlar, motivo que anula a certeza de estarmos perante clara oportunidade de golo. A infração antidesportiva devia ter sido sancionada com pontapé-livre direto e cartão amarelo para o infrator.

Nota – 5

O Adeptos de Bancada já está no YouTube com vídeos imperdíveis! Vai ficar de fora? Junte-se ao nosso 11 e subscreva o nosso canal aqui!

Deixe um comentário