Nacional

Carta aberta brutal de Luís Osório ao pai de Gonçalo Ramos: ‘O segredo que guardou’

Luís Osório e Gonçalo Ramos

Gonçalo Ramos está nas bocas do mundo depois de ter assinado o único hat trick deste Mundial, na goleada de Portugal sobre a Suíça. Luís Osório foi mais uma voz a juntar ao coro de elogios ao jovem avançado.

Veja também: A atitude de líder que Ronaldo teve após o Portugal-Suíça que a imprensa escondeu

O jornalista dedicou um longo texto na sua página de Facebook, onde recordou o percurso do pai, Manuel Ramos, antigo futebolista que não atingiu o patamar do seu filho.

Um texto incrível sobre uma promessa que começou no pai e que foi agora cumprida pelo filho.

Veja também: Félix dá murro na mesa e deixa recado a jornalistas sobre Ronaldo

Veja abaixo o texto completo.

“O segredo que Gonçalo Ramos guardou até ontem

1.
Gonçalo é o novo herói português.

O segundo mais jovem a marcar três golos num campeonato mundial depois de Pelé.

Tem 21 anos e para espanto do mundo substituiu Cristiano Ronaldo. No final do jogo o espanto do mundo transformou-se em perguntas e mais perguntas – que miúdo é este, o que dele poderemos mais esperar, que história é a sua?

Gonçalo está nos jornais de todo o mundo. Invariavelmente com um tom de espanto a seguir ao seu nome.

Fazem-se apostas sobre o seu próximo destino, os benfiquistas desesperam pela ideia de o ver partir.

2.
Mas vou contar-te o que me passou pela cabeça.

Em cada golo do Gonçalo pensei no seu pai, um ex-futebolista profissional que ontem chorou a cada golo do seu filho pródigo.

Eu vi jogar Manuel Ramos.

Era pequenino, muito mexido, rápido e agressivo. Jogava sempre pelo lado direito, marcava golos e entusiasmou durante três ou quatro épocas os adeptos do Farense.

Muito jovem, e já na primeira divisão, não faltava quem apostasse no seu sucesso.

Nas bancadas do São Luiz houve quem dissesse que o Ramos poderia chegar muito longe, quem sabe ao Benfica, ao Porto ou ao Sporting, quem sabe ter uma carreira no estrangeiro, o céu era o limite para aquele pequeno alentejano da Amareleja.

Manuel cresceu na ideia de que poderia vir a ganhar muito dinheiro no futebol.

Nessa esperança teve os seus filhos.

Nessa esperança nasceu Gonçalo – precisamente no ano em que o pai saiu do Farense para o Salgueiros.

3.
Foi uma triste coincidência pois os sonhos do pai começaram a desvanecer-se por essa altura.

Foi desaparecendo dos olhares.

Deixou de jogar na primeira divisão.
Deixou de ganhar o dinheiro que um dia pareceu poder estar ao seu alcance.

Teve de se fazer à vida, arranjar outros trabalhos, zelar para que a sua família, os seus filhos, para que o pequeno Gonçalo não tivesse que passar por necessidades.

O Manuel teve sucesso.
Nunca lhes faltou nada.

4.
E ontem, quando vi Gonçalo Ramos marcar três golos à Suíça, ao ver a FIFA a destacá-lo como uma estrela que nasceu, pensei no pai.

No que deve ter recordado.

No dia em que viu o filho partir de Olhão para Lisboa. Sozinho, com 13 anos e um contrato para jogar nos iniciados do Benfica.

Nos telefonemas diários que, com a mãe, matavam as saudades com perguntas e cuidados.

Nos fins-de-semana em que viajava do Algarve para Lisboa para o ver jogar. Nos conselhos que lhe deu.

– Faz isto, Gonçalo.
– Faz aquilo, Gonçalo.
– Tu podes lá chegar, Gonçalo.

5.
“Tu podes lá chegar e cumprir o destino que parecia ser o meu” – talvez tenha sido isso que o Manuel pensou ontem quando viu o seu menino, com 21 anos, explodir para o mundo e fazer-se estrela.

O Manel era pequenino, mexido, chato para os adversários.

Recordo os adeptos do Farense a levantarem-se quando ele acelerava até à linha de fundo – naquele estádio algarvio o público está em cima dos jogadores, os gritos entram-lhes pelos ouvidos.

– Vai Manel, vai à linha, parte o defesa, chuta.

Foi isso que o Manel fez ontem na nossa noite de glória.

Em cada golo do Gonçalo ele voltou a ir à linha, voltou a partir os defesas e a chutar.

E a marcar o melhor golo da sua vida.

O Manel Ramos não sabia, mas aqueles adeptos do Farense tinham mesmo razão.

Ele tornou-se mesmo uma estrela.

No corpo do seu filho Gonçalo ele dispara balas que são um bocadinho suas.

Foi esse o segredo que o Gonçalo e o seu pai guardaram até ontem.

E não há orgulho maior para um pai.

E para um filho também”.

Veja também: Texto arrasador de José Alberto Carvalho: ‘Ronaldo obrigado por não desistires de ti’

Deixe uma resposta