Nacional

Penálti por marcar no FC Porto-SC Braga? A análise à arbitragem

Pepê em disputa de bola com Álvaro Djaló no FC Porto-SC Braga.

Os especialistas dos diários desportivos O Jogo e A Bola e da rádio Observador, analisaram o trabalho de Hélder Malheiro no FC PortoSC Braga.

Veja também: Expulsão de Aderllan Santos é justa? A análise à arbitragem do Benfica-Rio Ave

O lance que suscitou mais dúvidas ocorreu aos 36 minutos em que os dragões ficaram a reclamar de uma grande penalidade por mão na bola de Paulo Oliveira a remate de Pepê. Os especialistas são unanimes ao considerarem acertada, a decisão de não assinalar o castigo máximo, uma vez que não houve movimento deliberado por parte do central bracarense.

-

Veja as análises completas abaixo.

Veja também: Árbitro Hélder Malheiro ameaçou Francisco Conceição: ‘Vou-te f****’

A análise de Pedro Henrique

Veja também: Schmidt responde forte às queixas de Luís Freire sobre a arbitragem

A análise de Duarte Gomes

Hélder Malheiro arbitrou o FC Porto-SC Braga deste domingo.

Tiago Martins foi o VAR.

Segue análise técnica dos momentos mais relevantes da partida:

8′ Bola tocada por um jogador do FC Porto no corpo do árbitro e ficou depois na posse da equipa azul e branca. Naquela circunstância o jogo não tinha que ser interrompido. Esteve bem Hélder Malheiro.

13′ Golo de Fábio Cardoso (que estava em posição legal), após a execução de pontapé-livre a punir agarrão de Álvaro Djaló a Francisco Conceição: o jogador do Braga puxou-o na zona da cintura e, por duas vezes, pela camisola.

25′ Ou queremos que os árbitros deixem jogar e contribuam para a fluidez de jogo ou que interrompam sempre que identificam infrações. As duas ao mesmo tempo é que não. A infração de Ricardo Horta sobre Evanilson foi claramente negligente e passível de advertência, como aconteceu com o jogo interrompido. O amarelo exibido a Pepê por protestos foi justo e a verdade é que o jogador brasileiro foi feliz, porque as palmas que bateu na sequência, quer para Malheiro, quer para o 4º amarelo, podiam ter-lhe valido a expulsão por acumulação de cartões.

36′ Bola rematada por Pepê foi desviada pela mão de Paulo Oliveira, que nesse momento tinha o braço direito dobrado, encolhido e junto ao corpo, dando a indicação que não pretendia infringir, mas defender/proteger o corpo perante o remate do adversário. Na sequência, a bola tocou no ombro direito de José Fonte. Em ambos esteve bem o árbitro ao nada assinalar.

45′ Vítor Carvalho tentou disputar a bola com a cabeça, tocando no peito de Galeno que se antecipou. O jogador do SC Braga não poderia ter feito falta nessas circunstâncias, como o árbitro erradamente entendeu.

45+2′ Vítor Carvalho impediu, de forma antidesportiva, que Evanilson disputasse a bola. O braço direito do jogador do Braga atingiu o corpo/rosto do adversário. Foi bem advertido pelo árbitro de Lisboa.

48′ Matheus Magalhães saiu da sua baliza e derrubou com a perna Evanilson, quando o adversário tinha cruzado para o interior da área. A infração foi clara e bem sancionada com pontapé de penálti.

55′ A quarta infração no jogo de João Mário foi um pisão no pé direito de Álvaro Djaló. Ainda que não tenha tido intensidade para justificar a advertência, a sucessão de infrações do defesa podia ter levado o árbitro a exibir-lhe o cartão amarelo.

62′ Nico González agarrou Zalazar, perturbando a sua tentativa em prosseguir a jogada. A infração antidesportiva foi bem sancionada com advertência.

63′ André Horta agarrou Pepê de forma semelhante à que Nico fez a Zalazar. A coerência disciplinar (obviamente mais fácil de ver nas imagens do que em campo) impunha advertência para o jogador do SC Braga.

66′ Cartão amarelo bem exibido a Francisco Conceição, após derrubar André Horta de forma negligente.

72′ Wendell estava a marcar Álvaro Djaló com contacto, mas não pareceu ter cometido carga ilegal na sua área. A única imagem do lance não foi esclarecedora, mas deixou a ideia que o lance foi legal.

79′ Paulo Oliveira atingiu o pé de um adversário de forma notoriamente antidesportiva. Viu com justiça o cartão amarelo.

82′ Álvaro Djaló chegou atrasado e atingiu, de forma muito negligente, o pé de Stephen Eustáquio. O jogador do Braga quis disputar a bola, não teve malícia nem intenção de lesionar e não o atingiu em zona desprotegida/sensível (joelho, Aquiles ou tornozelo). Isso desgravou a natureza disciplinar da infração. Amarelo no limite máximo.

89′ Fábio Cardoso desviou, com o braço direito, remate de Ronny Lopes. O central parece ter retirado o braço da zona de segurança para zona de risco. Infração quase impossível de detetar e fora da área azul e branca.

90+1′ José Fonte atingiu o calcanhar direito de Toni Martínez e foi bem advertido pela entrada antidesportiva.

Nota: 7

Veja também: A atitude provocatória de Hélder Malheiro a Francisco Conceição (VÍDEO)

O Adeptos de Bancada já está no YouTube com vídeos imperdíveis! Vai ficar de fora? Junte-se ao nosso 11 e subscreva o nosso canal aqui!

Deixe um comentário