NacionalVídeos

Penálti por marcar contra o FC Porto por mão na bola de Otávio?

Lance polémico de Otávio no FC Porto-Sporting da final da Taça.

Os especialistas de arbitragem analisaram o desempenho de Fábio Veríssimo na final da Taça de Portugal entre FC Porto e Sporting.

Veja também: Paulo Bento de luto após enorme perda – ÚLTIMA HORA

Um dos lances que deixou mais dúvidas surgiu aos 87 minutos em que os dragões queixaram-se de uma grande penalidade por mão na bola de Hjulmand, após livre direto batido por Wendel. Duarte Gomes e Pedro Henriques não têm dúvidas de que ficou uma grande penalidade por marcar a favor do FC Porto, considerando que o médio leonino abre bem o braço e desvia a bola com o cotovelo. Um lance que não teve a análise dos especialistas de O Jogo.

-

Mas o lance mais polémico surgiu aos 110 minutos, com os leões a queixarem-se de que Otávio jogou a bola com a mão na área portista. No entanto, a esmagadora maioria dos especialistas considera que não há motivo para a marcação de uma grande penalidade, uma vez que o central azul e branco tinha o braço em posição natural, não sequer havendo volumetria. Jorge Coroado é o único que Otávio jogou a bola com o braço deliberadamente.

Veja também: O plano com dois clubes na jogada que coloca Di María fora do Benfica

Veja as análises completas:

Veja também: A mudança surpreendente de visual de Pedro Guerra que já é viral

A análise de Pedro Henriques

Veja também: Hoffenheim disposto a ficar com flop do Benfica mas águias não facilitam

A análise de Duarte Gomes

Fábio Veríssimo, que realizou uma época muito consistente, foi merecidamente nomeado para a final da Taça de Portugal. O jogo teve vários lances de análise complexa.

Segue análise técnica aos mais relevantes:

2′ Evanilson chocou no corpo de Diogo Pinto, depois de colocar a bola no lado oposto. O guarda-redes do Sporting, que desviou a bola de forma correta, não fez movimento irregular para derrubar o adversário. O contacto foi decorrente da movimentação do brasileiro. Lance bem analisado na área do Sporting.

20′ Golo do Sporting: St Juste saltou (sem infração sobre Otávio), cabeceando com sucesso. Coates e Hjulmand não obstruíram irregularmente a ação de Diogo Costa.

23′ Pedro Gonçalves, em posição irregular, tentou disputar a bola com um adversário, sendo bem sancionado por fora de jogo.

29′ Excelente intervenção do VAR em lance difícil de avaliar em campo: St Juste encostou o corpo nas costas de Galeno, derrubando-o. Em velocidade, contactos como aquele fazem quase sempre desequilibrar quem está à frente. A infração foi bem fora da área e cortou clara oportunidade de golo. Pontapé livre bem assinalado, vermelho bem exibido.

37′ João Mário agarrou ostensivamente Pedro Gonçalves, incorrendo em infração antidesportiva. Foi bem punido com amarelo.

39′ Gyokeres usou o braço esquerdo com negligência, atingindo o pescoço de Zé Pedro. A infração do sueco foi bem sancionada com advertência.

42′ Trincão devia ter sido advertido quando agarrou Wendell vários metros, impedindo-o de sair a jogar. A infração foi mais “visível” do que a que valeu o amarelo a João Mário.

63′ Francisco Conceição foi desarmado legalmente por saída à bola de Diogo Pinto. O avançado foi depois sancionado por fora de jogo (no limite).

66′ Alan Varela obstruiu Pedro Gonçalves, impediu-o de iniciar saída rápida. A infração antidesportiva foi bem punida com advertência.

81′ Alan Varela derrubou Quaresma com rasteira imprudente no meio-campo. O (segundo) amarelo não se justificava.

87′ Hjulmand, na barreira defensiva, levou o braço direito bem para fora do corpo, desviando remate de Wendell na execução de pontapé livre. A ação do dinamarquês teve volumetria evitável e foi por isso irregular. Errou a equipa de arbitragem ao não sancionar o lance com pontapé de penálti favorável ao FC Porto.

96′ A carga irregular de Diogo Pinto sobre as costas de Evanilson não pode ter deixado dúvidas para ninguém. Pontapé de penálti bem assinalado a favor da equipa azul e branca.

111′ Bola longa de Daniel Bragança foi desviada da cabeça de Eustáquio para o braço esquerdo de Otávio, que estava em posição natural para aquele que era o seu movimento defensivo. Lance legal na área do FC Porto.

115′ Diomande antecipou-se a Grujic, tocando na bola. Para isso o central atravessou a perna direita à frente do sérvio. O contacto existiu depois, sendo inevitável naquelas circunstâncias. O jogador do FC Porto não fo imprudente ou negligente em nenhum momento.

NOTA: 5

O Adeptos de Bancada já está no YouTube com vídeos imperdíveis! Vai ficar de fora? Junte-se ao nosso 11 e subscreva o nosso canal aqui!

2 comentários

  • Estes árbitros, por vezes, devem ver o futebol com o olho traseiro.
    O cotovelo do Hjulmand faz penalti ( se é que lhe toca)!
    A defesa do Otávio não é penalti nenhum!
    Siga…

  • E andam estes “artistas” da arbitragem, alguns ex-árbitros que tiveram um passado bastante sombrio, mas até foram internacionais, afirmar sobre jogadas, que claramente deveriam ser penalizadas, é no mínimo tomar partido de um dos clubes, intervenientes na Final da Taça.
    1- O Otávio inclina o corpo, para o lado em que a bola está direcionada, aumentando a volumetria. Penalty CLARO!
    2 – O árbitro e o VAR indicados para a Final da Taça, nunca deveriam ter sido nomeados, por, habitualmente, facilitarem a vida ao FCP. A não ser que o CA da FPF, entendesse que o FCP, tinha que ganhar a Taça de Portugal.
    3 – A não ser que a FPF, facilitasse o prémio de despedida de PC, com uma vitória, jogando com 16, em vez de 11.
    4 – Admito que haja equipas de arbitragem que falhem, numa ou em outra situação, mas numa final, a UM jogo, mostrar mais de uma dezenas de cartões, no total, pendendo para uma das equipas, com graves prejuízos para o SCP, é estranho, ou talvez nem seja;
    5 – Espero que na próxima época, estes artistas da pseudo arbitragem, voltem a arbitrar jogos da 3a e 2a divisão, para entenderem como é ganhar o hábito de fazerem boas e isentas arbitragens e não ganharem chorudos ordenados para fazerem tanta asneira e distorcerem o princípio fundamental do futebol. ISENÇÃO!
    6 – E que os “juízes” do futebol, não se esqueçam que há alturas em que o feitiço, se vira contra o feiticeiro, é a LEI DO RETORNO.

Deixe um comentário