Nacional

A reação forte do FC Porto à interdição do Dragão após confusão no clássico com o Sporting

Confusão entre João Palhinha e Agustín Marchesín no meio do caos do FC Porto-Sporting

O FC Porto vai recorrer do castigo de dois jogos de interdição do Estádio do Dragão, no Porto, que foi determinado na terça-feira pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, anunciou hoje o campeão nacional.

O castigo de dois jogos de interdição fundamenta-se, apenas e só, no comportamento de elementos que não pertencem à estrutura do FC Porto. Os indivíduos em causa são funcionários de empresas contratadas para prestarem serviços neste tipo de eventos desportivos, tanto ao FC Porto, como a clubes concorrentes e à própria Federação Portuguesa de Futebol. Por isso mesmo, o FC Porto irá convictamente recorrer e reverter esta decisão“, argumentam os ‘azuis e brancos’, através da newsletter ‘Dragões Diário’.

Veja também: Benfica negoceia saída em definitivo de Pizzi após 7 épocas de serviço e vai poupar muitos milhões

Em comunicado, a secção profissional do órgão disciplinador federativo explicou ainda que sancionou os campeões nacionais com uma multa de 25.245 euros, por causa do “arremesso de objeto sem reflexo no jogo” e da “inobservância qualificada de deveres” durante o ‘clássico’ entre FC Porto e Sporting, da 22.ª jornada da I Liga, em 2021/22.

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol condenou também o coordenador de segurança da SAD do FC Porto, João Paulo Sousa, a pagar uma coima de 1.530 euros, ao passo que o diretor de campo e o diretor de segurança, Ricardo Carvalho e Carlos Carvalho, respetivamente, receberam multas de 918 euros cada um.

Já Manuel Silva (colete azul n.º 02), Carlos Elias (n.º 03) e Cláudio Filipe Nova (n.º 05), identificados no documento como “elementos de apoio às ações promocionais da FC Porto SAD”, receberam 75 dias de suspensão e 3.060 euros de coima por “agressões”.

Veja também: Octávio Machado: “Há um antídoto facílimo para esta forma de jogar do Benfica”

Alvo de um processo disciplinar nos dias seguintes ao ‘clássico’, que foi realizado em 11 de fevereiro e terminou empatado 2-2, Matheus Reis, defesa brasileiro do Sporting, já tinha sido constituído arguido, mas foi considerado absolvido do ilícito de agressão.

Estes castigos foram divulgados após a instauração de um processo de inquérito aos incidentes verificados na receção dos ‘dragões’ aos ‘leões’, tais como o arremesso de objetos de apanha-bolas e de objeto metálico, em forma de projétil, ou o comportamento de assistentes de recinto desportivo e elementos da equipa de ativações publicitárias.

Quando faltavam 12 jornadas para o fim do campeonato, o então líder FC Porto manteve os seis pontos de avanço sobre o Sporting, segundo colocado, ao responder aos golos iniciais de Paulinho (oito minutos) e Nuno Santos (34) por Fábio Vieira (38) e Mehdi Taremi (78), tendo jogado em vantagem numérica desde os 49, por expulsão de Coates.

Veja também: Benfica desiste da corrida por reforço muito desejado por Roger Schmidt após pedido de 40M€

Os dois jogos de interdição do Estádio do Dragão apenas entram em vigor 15 dias úteis depois do anúncio do castigo, pelo que não irão condicionar a receção do FC Porto ao Marítimo, no fim de semana de 06 e 07 de agosto, relativa à ronda inaugural da I Liga.

O duelo caseiro seguinte dos ‘azuis e brancos’ é o ‘clássico’ com o Sporting, na terceira jornada, em 20 ou 21 de agosto, sendo que, após as deslocações ao Rio Ave e ao Gil Vicente, os campeões nacionais só voltam a atuar na prova enquanto visitados à sexta ronda, no fim de semana de 10 e 11 de setembro, defrontando o Desportivo de Chaves

Fonte: LUSA

Deixe uma resposta

Por favor desactive o seu adblocker ou coloque-nos na sua  lista de sites permitidos.

Muito obrigado!

Please disable your adblocker or whitelist this site!

Thank You!