Nacional

“João Félix e André Gomes têm a mística do FC Porto”

João Félix festeja golo no Atlético de Madrid-Cádiz

Pepijn Lijnders recordou a sua passagem pelos escalões de formação do FC Porto como treinador e guarda as melhores memórias do clube.

Amamos aqueles que odeiam perder, esse é o mote do FC Porto. Lutamos contra tudo e contra todos, essa é a segunda frase que me vem à cabeça. A raça, a força interior dos jogadores é algo que nunca vi antes porque venho da Holanda. Foi algo que vai ficar comigo para sempre. Alguns clubes estão no jogo para o jogar, mas o FC Porto esta nele para vencer. É para isso que jogam e vencem.

Os treinos eram incríveis. Comecei de manhã com os sub-19, à tarde com sub-14 e sub-15 e à noite sub-12, sub-10, os mais novos. O único objetivo que tinha, para além desta ideia coletiva da periodização tática, era criar agressividade ofensiva, para que em cada situação eles pudessem lidar com a bola, quando estivessem um para um pudessem ultrapassar um jogador, ou seja, a ideia era criar para marcar. Queríamos criar uma nova geração que representasse a sua cultura e que tivesse esta mentalidade ofensiva com um nível técnico alto”, afirmou em declarações ao podcast Big Interview de Graham Hunter.

Veja também: Jesus trocar o Benfica pelo regresso ao Brasil pela porta grande

Lijnders revela como é que o FC Porto chegou à sua contratação.

“Eles tinham um projeto 611, Antero Henrique e Pinto da Costa queriam restruturar a academia e o scout. Co Adriaanse era o treinador antes de eu chegar e saiu, mas o Wil Coort era o treinador de guarda-redes e ficou. Queriam acrescentar algo ao projeto 611.

Senti que estava pronto para deixar a Holanda, sentei-me à mesa com João Martins, Vítor Frade e Luís Castro. Foi um clique instantâneo com eles. Frade e Luís Castro são das pessoas mais importantes na minha vida, mostraram fé num holandês de 24 anos do PSV, não do Real Madrid.

O sistema de scout do FC Porto é dos melhores do mundo. O problema é que a academia não pode ficar para trás“, referiu.

Veja também: Ozil escolhe entre Ronaldo e Messi e arrasa na resposta

A cultura do FC Porto e os talentos da formação

O holandês mostra que bebeu da cultura azul e branca, que tratou de explicar aos ingleses.

“A ideia era criar uma nova geração de jogadores. O treinador do FC Porto está debaixo de uma pressão enorme. Se perdes com o Benfica, mesmo que estejas no primeiro lugar, ou se saíres na fase de grupos da Liga dos Campeões…

Portanto, o treinador vai sempre escolher o melhor jogador, a melhor equipa. Portanto, a ideia era ter esta cultura de vitória, mas desenvolver jogadores com mentalidade ofensiva, porque há brasileiros que aos 16 anos já jogam num nível de topo e têm 20 iniciativas por jogo para desequilibrar, marcar, rematar. O pensamento foi: “Temos de levar esse tipo de jogo para o FC Porto com tudo aquilo que já fazemos”, disse.

Veja também: Namorada de João Félix quer ver o português… no Sporting

Essa mentalidade, a juntar com o seu trabalho, resultou numa fornada de talento da formação do FC Porto.

“Tentámos criar uma nova geração, dos 13 para baixo é a idade mágica, se estimulares essa ideia criativa e lhes deres liberdade e ao mesmo tempo princípios, os jogadores vão adaptar-se. No fim, criámos isso.

Se virem os jogadores que se destacaram é incrível. Fábio Silva, André Silva, Gonçalo Paciência, Ruben Neves, João Félix, André Gomes, Fábio Vieira, Bruno Costa, Diogo Leite, Diogo Queirós, podem fazer uma equipa agora e têm a mística do FC Porto, porque todos eles tiveram essa ambição e, por cima, tinham um grande nível técnico.

Sabíamos que tínhamos de acelerar esse processo. Durante sete anos foi um período de muito sucesso, porque fomos campeões várias vezes e pudemos trabalhar com calma porque a equipa principal estava a vencer. Se não estivesse, até o treinador dos sub-19 estava na berlinda”, concluiu.

Veja também: “Vejo uma Juventus cada vez menos dependente de Ronaldo”

Deixe uma resposta


Notice: Trying to access array offset on value of type null in /home/adeptosdebancada/public_html/webanalyze/firewall/firewall.php on line 62