Nacional

Do olhar fulminante a árbitro à braçadeira no chão: ‘Os arrependimentos de Conceição’

Sérgio Conceição em antevisão de um jogo do FC Porto

Na conferência de imprensa de antevisão ao jogo com o Famalicão, Sérgio Conceição discordou da ideia de que o adversário possa apresentar-se com uma menor frescura física diante do FC Porto, depois de ter sido obrigado a ir a prolongamento no jogo da Taça diante do Leixões.

Teve mais um dia para descansar do que nós. Isso não tem interferência no que vai ser o jogo. Trata-se de mais um jogo de campeonato, frente a uma equipa que está num bom momento, levam quatro vitórias seguidas. Tem jogadores jovens com muita qualidade, uma equipa bem organizada, não precisa de muitas ocasiões para fazer golo. O Cádiz está fora, mas têm outros jogadores de valia que podem jogar à frente. Contra o Sporting, atuou de uma forma, ultimamente tem atuado de outra, mas estamos preparados”, afirmou.

Veja também: Kátia Aveiro conta a verdade sobre emprego na mansão de Ronaldo em Cascais

O técnico dos dragões procurou explicar a irregularidade dos dragões que já custou 12 pontos em 15 jornadas, mais do que os pontos perdidos na temporada passada.

No ano passado fizemos uma época excecional, só perdemos um jogo. Este ano já perdemos mais pontos do que gostaríamos. Temos de refletir. Temos de fazer um exame de consciência e perceber o que não está a correr tão bem. Já falámos sobre isso no grupo de trabalho. A dedicação e a qualidade nos treinos é muito boa. Antes do jogo com o Casa Pia tivemos uma das nossas melhores semanas. Nada perspetivava essa falta de eficácia. Falámos sobre isso, olhámos para o que não fizemos tão bem. Eu já percebi o porquê de perdermos esses pontos onde não é normal. Acho que é difícil as equipas serem campeãs sem derrotas, temos cada vez mais competência e já não existe o tempo das vacas gordas, com equipas fenomenais. Somos um país vendedor. Vejam a equipa com que comecei em 2017, só cá está o Otávio…“, referiu.

Conceição pronunciou-se ainda sobre Toni Martínez, que apontou um hat trick diante do Arouba na Taça.

O Toni entrou com a faca nos dentes, como disse no final do jogo. É isso, tem de ser assim. Independentemente de essa faca ir direcionada a alguém. Não me importa se jogam revoltados. Têm de jogar sempre dessa forma, se assim for estão mais perto de jogar mais minutos e de serem sempre protagonistas. Tive a oportunidade de lhe dizer e ao grupo de trabalho: não são os golos, é a atitude dele no jogo que tem de ser sempre assim”, disse.

Veja também: Bruno Fernandes marca na vitória dramática do United no derbi de Manchester (Vídeo)

O treinador dos azuis e brancos enalteceu o regresso de Pepe.

É extremamente importante em todos os momentos no nosso grupo de trabalho. Muitas vezes esteve lesionado e foi para o estágio. É importante no balneário, no onze, na bancada… É o nosso capitão. Um jogador com 40 anos, mantê-lo a este nível, ao nível dos melhores do mundo, é desafiante para a equipa técnica e para o departamento médico. É um jogador excecional“, referiu.

Conceição foi ainda questionado sobre o mercado de transferência e a diferença para os rivais, que já se reforçaram, enquanto o FC Porto ainda não.

Olhamos para nós. Já tive a oportunidade de falar deste mercado de janeiro, não sou um fã. Os jogadores que temos no plantel e olhando para a equipa B… Se tivéssemos milhões para ir buscar um ou outro jogador não diria que não. Mas não é o caso“, atirou.

Veja também: Recado de Schmidt ao árbitro do Benfica-Sporting: ‘Estou surpreendido’

Sobre o BenficaSporting, o treinador do FC Porto foi curto.

Que seja um bom jogo, que ganhe a melhor equipa. Temos de nos preocupar connosco“, disse.

Por último, após 300 jogos à frente do FC Porto, Conceição foi desafiado a revelar em que é que é diferente.

“Todos os dias aprendemos com toda a gente, se somos apaixonados pelo que fazemos há uma evolução normal nesse plano. Ao nível emocional sou exatamente o mesmo, vocês não notam (risos). Arrependo-me, se calhar, de ter olhado de forma fulminante para o Nuno Almeida, de atirar o casaco e a braçadeira ter ido junto e eu não ter reparado… Há alguns arrependimentos nesse sentido, mas nas grandes decisões não me arrependo de nada. Normalmente são bem pensadas e naquele momento acho que é o mais justo. Por isso, não me arrependo de nada. Cometi erros, claramente, mas serviram para a evolução que falei”, concluiu.

Deixe uma resposta